“Acho fácil subestimar a capacidade das pessoas de olharem para novas ideias”

18 de outubro de 2017

Engenheiro britânico, que integra equipe do prédio de 80 andares em Londres, acredita que o Brasil possa aprender sobre o uso da madeira na construção com experiência de outros países

O engenheiro britânico Robert Foster, que faz parte da equipe que desenvolveu o projeto Oakwood Timber Tower, um arranha-céu de 80 andares em madeira em Londres, esteve recentemente no Brasil e conversou com exclusividade com a equipe do Portal Madeira e Construção.

Na sua passagem por Curitiba, Foster afirmou que o Brasil terá desafios únicos, mas que a partir do exemplo de outros países não há razão para não desenvolver projetos em madeira. E lembrou que no processo de criação do edifício de Londres chegaram a duvidar do sucesso da ideia. “O que realmente aconteceu foi um feedback extremamente positivo e não apenas de pessoas que acham legal e sustentável ou de arquitetos ou engenheiros. Pessoas ‘comuns’ com quem falamos ficaram realmente interessadas no projeto.”

Confira a entrevista com o engenheiro.

As empresas da cadeia da madeira no Brasil estão trabalhando para aprofundar o uso desse material na construção civil, criando uma indústria específica. Que tipo de projeção, em curto prazo, é possível fazer para um mercado que ainda está sendo fortalecido?

Penso que seja possível, porque uma das vantagens que vocês têm é de partir de uma base e seguir exemplos de outros locais do mundo. Haverá desafios únicos para construir no Brasil. No entanto, muitos dos desafios serão os mesmos registrados em outros países e muitos exemplos do que já foi construído pode servir de exemplo. Não existem motivos para que vocês não conduzam estes exercícios de design por vocês mesmos. Há tantos engenheiros e arquitetos talentosos no Brasil e não tem porque eles não conduzirem estes mesmos exercícios para explorar as possibilidades que podem ser identificadas para a construção em madeira no contexto brasileiro. Podem surgir construções diferentes e isso será muito interessante de ver.

Aqui, um dos grandes problemas quanto ao uso da madeira na construção é cultural. Muitas pessoas ficam receosas com construções deste tipo e não acreditam que elas sejam tão seguras quanto outros materiais. Esta percepção pode ser alterada?

Claro. Isso pode levar algum tempo para mudar. Exemplos de alta qualidade nas construções usando estas fontes de materiais e casos em que algo aconteceu de “errado” com estes prédios e como estas construções “se comportaram” muito bem podem ser usados para ajudar neste sentido de aumentar a confiança das pessoas. No entanto, eu acho fácil subestimar a capacidade das pessoas de olharem para novas ideias. Pensamos, quando estávamos fazendo este prédio (o projeto do edifício de 80 andares), que ninguém amaria ou que dissessem que era uma ideia estúpida. O que realmente aconteceu foi um feedback extremamente positivo e não apenas de pessoas que acham legal e sustentável ou apenas de arquitetos ou engenheiros. Pessoas “comuns” com quem falamos ficaram realmente interessadas no projeto e nos faziam perguntas – inclusive sobre incêndio. Acho que devemos dar às pessoas o benefício de que mostrando algo bom elas podem responder positivamente. Algumas pessoas não vão gostar, mas tudo bem para isso também.

Quais as vantagens do uso da madeira?

A conversa deve passar por sustentabilidade, por quanto tempo estes prédios em madeira vão existir, como estas construções se comportam na questão do carbono. Sabemos que do potencial de sequestro de carbono, o que é um ótimo fato. Sabemos e acreditamos que as pessoas gostam de ter a madeira no seu entorno, no seu ambiente. E não é impossível fazer esta relação diante do uso dos móveis de madeira. Gostamos de madeira. Diante disso, acho que faz muito sentido construirmos um prédio de madeira. Também existem vantagens para a construção propriamente dita: os componentes serão fabricados e levados ao local em peças. Com isso, a construção pode ser bem mais rápida e com certeza mais limpa; e também mais segura, pois há menos tempo de exposição para algo dar errado. E o fato de estar usando madeira significa que não está sendo usado concreto. Isso pode ser bom, pelo aspecto ambiental. Não estamos retirando areia de leitos de rios para produzir o concreto e começa-se a perceber o quanto isso é danoso em todo o mundo. Existem muitas vantagens no uso da madeira, com certeza.

 

Por Joyce Carvalho para o Portal Madeira e Construção
Foto Gelson Bampi / Agência Fiep

Compartilhe
Voltar para Notícias

Cadastre seu email e receba nossa newsletter