Casa de brincar

14 de setembro de 2016

Em madeira roliça de eucalipto, projeto da Amaru Madeiras e Construções permite personalização da casa e garante segurança à brincadeira da criançada

Que a casa na árvore faz parte do imaginário de quase toda criança não há como negar. Para atender esse sonho dos pequenos, o sistema construtivo Amaru Perfilado, utilizado para construção civil, agronegócios, paisagismo, movelaria e alta decoração, foi adaptado para o projeto denominado ‘Casa de Jardim’.  Toda em madeira roliça de eucalipto tratada, a casa pode ocupar diversos espaços, do jardim ao topo de uma árvore.

A primeira ‘Casa de Jardim’ executada pela revenda Amaru Madeiras e Construções (www.amarubrasil.com.br) integra a área de lazer de um condomínio horizontal localizado em Betim, região metropolitana da capital mineira, Belo Horizonte. Segundo a arquiteta Elaudia Dan, da equipe técnica responsável pela criação, divulgação e desenvolvimento contínuo do ‘Sistema Construtivo Amaru Perfilado’, uma parceria entre a Plantar Empreendimentos e Produtos Florestais e a Montana Química, outros equipamentos faziam parte dos serviços contratados para o condomínio. “Brinquedos, como gangorras e balanços, também foram fornecidos para o empreendimento, mas pelo efeito lúdico e implantação privilegiada, a casa, como esperado, exerceu maior encanto sobre as crianças, cumprindo com excelência a função de atrair usuários e estimular o imaginário do público-alvo”, explica.   AMARU Construcoes_Casa de Jardim_Betim_imagem 01_editada

O tratamento da madeira de floresta plantada Amaru, realizado em autoclave com preservativo da Montana confere, segundo a empresa, maior durabilidade ao produto. “A aplicação de acabamento com Osmocolor Stain Preservativo agrega valor estético e maior proteção para o material contra os efeitos nocivos do sol e da chuva, uma vez que o produto possui filtros solares na sua composição e apresenta as características de hidrorrepelência e ação fungicida”, informa Elaudia.

O projeto da ‘Casa de Jardim’ permite personalização tanto na planta, quanto no acabamento final. “A casinha pode ser construída no nível do solo ou incorporada a uma árvore; ter a varanda ampliada ou desconsiderada; ganhar outros acessórios, como balanços e pontes; ter alguns dos acessórios existentes, por exemplo, escada ou rampas de plástico e de corda retirados ou substituídos por elementos diferentes; ser construída com outro tipo de telha; receber acabamento com tonalidades variadas, já que o Osmocolor, nas versões Cores Sólidas e Semitransparente, está disponível no mercado em uma cartela variada de cores”, explica a arquiteta.

 

Por Portal Madeira e Construção com informações da Assessoria de Imprensa Montana Química
Fotos divulgação

Compartilhe
Voltar para Notícias

Cadastre seu email e receba nossa newsletter