Exposição de grupo de pesquisa mostra alternativas do uso da madeira na construção

25 de outubro de 2018

Mostra do Habis – Grupo de Pesquisa em Habitação e Sustentabilidade do Instituto de Arquitetura e Urbanismo, da Universidade de São Paulo, reúne modelos reduzidos e detalhes de projetos de habitação

O uso da madeira em projetos de habitação popular e edifícios institucionais é o foco da mostra Habis, realizada no mês de outubro no Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU) da Universidade de São Paulo (USP), no campus de São Carlos (interior de São Paulo). A exposição apresenta, até o dia 26 deste mês, modelos reduzidos (maquetes) de projetos nesta área. Todos estes trabalhos foram desenvolvidos no âmbito do Habis – Grupo de Pesquisa em Habitação e Sustentabilidade do IAU. A iniciativa faz parte da Semana de Ciência e Tecnologia, promovida pela USP, e que neste ano tem como tema a “Ciência para a Redução das Desigualdades”.

Segundo a professora associada do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da USP, Akemi Ino, coordenadora do grupo de pesquisa, os projetos apresentam sistemas construtivos e componentes que levam a madeira; em alguns deles, a terra também está presente.

“A exposição divulga que existe a possibilidade de construir em madeira em diversas técnicas, associadas à terra. Incentiva a construção de casas com esta tecnologia mais saudável, do que o uso de produtos altamente processados. Além disso, com estas técnicas, os impactos ao meio ambiente são menores”, comenta Akemi em entrevista exclusiva ao portal Madeira e Construção. A professora usa o termo “saudável” para definir estas construções e afirma que isto não acontece apenas pela opção pela escolha do material em si, mas também pelos próprios projetos.

Os projetos apresentados estão diretamente ligados com o propósito do Habis – Grupo de Pesquisa em Habitação e Sustentabilidade, criado em 1992 para estudar a aplicação de tecnologias não convencionais em projetos habitacionais, incluindo o uso da madeira; posteriormente foram acrescentadas as pesquisas com terra e bambu.

“Em décadas anteriores, a temática estava baseada no tripé social, econômico e ambiental. No entanto, há outras dimensões nesta questão, como a tecnologia, o homem como um ser político (sem questões partidárias) e a cultura. Temos seis dimensões. De lá para cá, temos feito diferentes abordagens com sistemas construtivos, meios de menor impacto, baseados em sistemas naturais, biológicos. Temos a madeira. Mas, por isso, incluímos outros materiais, como a terra e o bambu”, revela a professora. Segundo Akemi, os projetos da Mostra Habis são protótipos desenvolvidos ao longo da trajetória do grupo que apresentam estes sistemas construtivos.

Entre os modelos reduzidos que compõem a mostra está o projeto Parque dos Mananciais, na região de Campos do Jordão (SP), que consistiu em um edifício para visitantes e funcionários, além de um espaço para pesquisas, utilizando a madeira de reflorestamento, em especial o pinus.

(Foto: Divulgação / Mostra Habis)

O Sepé Tiarajú mostra o sistema de cobertura com placas de madeira tratada para casas do assentamento rural de mesmo nome, em Serra Azul, na região de Ribeirão Preto. A iniciativa faz parte do projeto de pesquisa para a construção de 77 casas.

(Foto: Divulgação / Mostra Habis)

Já o projeto Pedra 90 mostra o sistema construtivo desenvolvido na parceria com a prefeitura municipal de Cuiabá (MT) no Programa Morar Conscientizar, que tinha como uma das metas a implantação de 410 unidades habitacionais de interesse social do Conjunto Habitacional Pedra 90. Foram utilizados componentes pré-fabricados de madeira nativa provenientes do rejeito comercial.

(Foto: Divulgação / Mostra Habis)

O Tablado – Espaço de Convívio foi elaborado para ser um grande espaço de lazer, com um deck parcialmente coberto, em São Carlos (SP) – na área de convivência da ADUSFSCar, o sindicato dos docentes em instituições federais da região. A madeira usada neste projeto foi a de Araucária proveniente de florestas plantadas. Tudo foi pré-fabricado em uma serraria familiar e apenas montado na obra.

(Foto: Divulgação / Mostra Habis)

A mostra ainda apresenta o projeto Inovarural, um dos desenvolvidos pelo grupo Habis em assentamentos como consultoria. Ele expõe como é possível utilizar a madeira que não é aproveitada em outros processos para a utilização em habitações, fazendo um sistema de qualidade. Neste caso, a madeira foi aplicada no telhado, por meio do sistema de vigas laminadas pregadas, simples e compostas, utilizando pinus. O material veio do aproveitamento da exportação de cercas, abundante na região de Itapeva (SP), onde o projeto foi realizado.

(Foto: Divulgação / Mostra Habis)

O projeto arquitetônico Nomads foi fruto da pesquisa que tinha como objetivo apresentar as possibilidades técnicas para a construção de habitações utilizando a madeira de plantios florestais como material principal. Ele foi executado no próprio campus da USP em São Carlos.

(Foto: Divulgação / Mostra Habis)

A exposição tem o modelo reduzido do próprio prédio onde ela é sediada. A sede do Habis é resultado de uma pesquisa realizada por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O edifício de madeira, com dois pavimentos, foi construído com madeira de eucalipto tratado. Para revestimento, foram utilizados painéis de madeira pré-fabricada. A terra também foi usada no edifício.

(Foto: Divulgação / Mostra Habis)

Quem quiser saber mais sobre o Habis – Grupo de Pesquisa em Habitação e Sustentabilidade do Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU) da Universidade de São Paulo (USP), pode conferir as informações em sua página no Facebook.

Por Joyce Carvalho para o Portal Madeira e Construção

Compartilhe
Voltar para Notícias

Cadastre seu email e receba nossa newsletter