Base florestal terá papel importante na sustentabilidade

6 de outubro de 2017

Estudos elaborados pelo Fórum Nacional de Atividades de Base Florestal (FNBF) e pela Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) mostram que o fortalecimento do setor será fundamental para cumprimento de metas do Acordo de Paris

Dois levantamentos produzidos por entidades ligadas à indústria de base florestal relacionam o cumprimento dos compromissos assumidos pelo Brasil no Acordo de Paris com o fortalecimento do setor. Estudos do Fórum Nacional de Atividades de Base Florestal (FNBF) e da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), apresentados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), apontam que segmento terá papel fundamental dentro das metas de redução das emissões de gases de efeito estufa.

O Acordo de Paris, elaborado em 2015 durante a 21ª Conferência das Partes (COP21), foi aprovado pelos 195 países que fazem parte da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC). O documento estabelece o compromisso para a redução das emissões de gases de efeito estufa no contexto do desenvolvimento sustentável, com o objetivo de limitar os aumentos da temperatura global.

No Acordo de Paris, o Brasil se comprometeu em reduzir as emissões dos gases de efeito estufa em 37%, na comparação com os níveis registrados em 2005. A meta deve ser cumprida até 2025.

Uma das medidas propostas para atingir o objetivo é a restauração e reflorestamento de 12 milhões de hectares de floresta até 2030. Os estudos do FNBF e da Ibá mostram que isso será possível apenas com uma participação ativa do setor de base florestal.

A cadeia relacionada às florestas nativas destaca que o segmento contribui por meio do desenvolvimento do manejo florestal sustentável. A prática prevê a extração de produtos da floresta com os menores impactos possíveis, permitindo a manutenção da estrutura florestal e a sua recuperação, por meio do estoque de plantas remanescentes. A partir do manejo sustentável, a floresta permanece em pé, mesmo com a contínua produção de madeira.

Outro destaque do estudo do FNBF é referente ao uso da madeira de florestas nativas no setor de construção. No entendimento do fórum, um maior uso da madeira em obras poderia contribuir para a redução das emissões de gases de efeito estufa pelo segmento. O FNBF, juntamente com a ong WWF e a CNI, trabalha para mostrar as vantagens e as possibilidades do uso da madeira em projetos de construção civil.

Especificamente na cadeia de florestas plantadas, a Ibá informa que as áreas de plantios são responsáveis pelo estoque de cerca de 1,7 bilhão de toneladas de dióxido de carbono ao ano. O setor ainda gera e mantém reservas de 2,48 bilhões de toneladas de dióxido de carbono, em 5,6 milhões de hectares em áreas protegidas.

Os estudos das duas entidades ainda revelam que a indústria de base florestal trabalha para a redução na geração de resíduos durante o processo produtivo. O Fórum Nacional de Atividades de Base Florestal aponta que 99,7% dos resíduos sólidos são mantidos no campo para a proteção e fertilização do solo. O restante é encaminhado para aterros sanitários, atendendo a critérios legais.

No caso das florestas plantadas, a Ibá informa que, em 2016, foram geradas 47,8 milhões de toneladas de resíduos sólidos. Deste total, 70,5% vieram das atividades florestais, enquanto 29,5% foram gerados pelas indústrias. Estas vêm aproveitando cada vez mais os resíduos para outros empregos, como o caso da geração de energia. Os resíduos de madeira são usados na queima em caldeiras, por exemplo.

Por Joyce Carvalho com informações da CNI

Compartilhe
Voltar para Notícias

Cadastre seu email e receba nossa newsletter