Paraná consolida posição de destaque entre Estados com plantios florestais

27 de Fevereiro de 2018

Estudo Setorial publicado pela Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal mostra potencial do setor e confirma as possibilidades de ampliar o uso da madeira na construção

Um setor que vem crescendo significativamente nos últimos anos no Brasil, com grandes perspectivas para o futuro. Na última década, o setor de floresta plantada ampliou significativamente a área cultivada. A perspectivas de ampliação do uso da madeira de florestas plantadas na construção civil, dado o déficit habitacional no país – que já ultrapassaria os 6 milhões de residências, segundo dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) – indica oportunidades para o segmento.

Um estudo recente lançado pela Associação Paranaense de Empresa de Base Florestal (Apre) mostra, entre outros dados, que o Brasil tem, hoje, pouco mais de 7,84 milhões de hectares plantados, sendo 72% de florestas de eucalipto, 20% de florestas de pinus e 8% de florestas de outras espécies. E nesse cenário, o Paraná se destaca com a maior área plantada de pinus do país, além de ser o sexto maior produtor de eucalipto, o que evidencia a vocação para produção e beneficiamento de produtos de madeira. O Estado é, por exemplo, o maior produtor e exportador de compensado de pinus do país, produto utilizado na construção civil, principalmente por países como Estados Unidos.

“O Estudo Setorial apresenta o panorama de um segmento pujante e com excelentes perspectivas de futuro. O documento retrata a força de um setor produtivo que soube se reinventar ao longo do tempo, agregando tecnologia, precisão, pesquisa e desenvolvimento a todas as etapas do negócio florestal”, destaca o presidente da Apre, Álvaro Scheffer Junior.

De acordo com o estudo, historicamente a madeira tem sido utilizada em diferentes fases da construção de um imóvel, seja como item intermediário durante o processo construtivo (caixaria, tapumes, escoras), ou como produto final (pisos, portas, janelas, móveis, telhado, estrutural, outros). Porém, como a preocupação com a sustentabilidade tem aumentado significativamente nos últimos anos, inclusive associada à construção civil – na busca por construções ambientalmente mais sustentáveis -, a madeira é tida como um material potencial para atender à necessidade de inovação, já que o mercado tem buscado utilizar um material de fonte renovável e que não apresente alto consumo de energia para sua fabricação, entre outros aspectos.

Nos últimos anos, o setor florestal tem observado no Brasil a adoção pela construção civil do sistema construtivo wood frame, já conhecido internacionalmente. Trata-se de um sistema que utiliza painéis de madeira preparados em perfis de madeira plantada, um tipo de construção que evita desperdícios, pois não requer que as paredes sejam quebradas para receber as tubulações e também dispensa o uso de fôrmas para pilares e vigas, já que as próprias paredes são estruturais. Pelo fato de os perfis serem feitos com madeira de florestas plantadas, há um apelo sustentável neste tipo de construção. Além disso, são estáveis estruturalmente, uma vez que as cargas são distribuídas em todas as paredes, em vez de em pontos específicos.

“Esse e outros sistemas construtivos são amplamente utilizados nos Estados Unidos, Canadá, Chile e países da Europa. O uso de wood frame oferece o potencial de redução de custos na construção civil aliada à alta produtividade operacional. Por isso, o setor florestal tem participado ativamente para a difusão desta ideia, principalmente em sistemas construtivos em larga escala, como é o caso das construções associadas ao Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV), do governo federal. Diante disso, o setor florestal tem se mobilizado para sua maior participação e inserção na cadeia da construção através do desenvolvimento e fornecimento de novos produtos de madeira”, avalia o presidente da Apre.

A associação já defende essa bandeira há alguns anos com a participação das ações lideradas pela Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) com a Casa Inteligente, a promoção de eventos como a Expo Madeira & Construção e o Simpósio Madeira & Construção, que já se consolidaram no cenário nacional nas discussões sobre o tema.

Outros dados sobre o setor florestal

O Brasil lidera o ranking mundial, principalmente pelas condições de clima e solo favoráveis à silvicultura. Mas um fator de destaque são os contínuos investimentos das empresas do setor em tecnologia e aprimoramento de práticas de manejo florestal. No Paraná, os plantios com pinus e eucalipto apresentam valores médios de produtividade florestal cerca de 10% acima da média brasileira, tanto para o pinus quanto para o eucalipto.

Como o Estado possui a maior área plantada com pinus do país, os avanços tecnológicos no manejo e no melhoramento genético para esse grupo de espécies se desenvolveram ao longo das últimas décadas, contribuindo para ganhos expressivos de produtividade, apesar da estagnação na expansão de novas áreas e da conversão para plantios com eucalipto. Mesmo com a retração dos últimos anos, investimentos recentes e outros em andamento no setor de base florestal plantada do Paraná totalizam R$ 8,87 bilhões. Esses investimentos concentram-se principalmente nas florestas (70%), sendo em plantios florestais (52%) e colheita florestal (18%), seguidos pela indústria (21%) e outros (9%).

“Trata-se de montante significativo, o que destaca o setor florestal do Estado no contexto nacional. Somente as associadas à Apre investiram em conjunto em 2016 o montante de R$ 12 milhões em pesquisa e inovação florestal, com estimativa de investir mais de R$ 64 milhões nos próximos cinco anos. A previsão dos próprios associados é de investir pelo menos R$ 2,20 bilhões entre 2017-2021”, comenta Scheffer Junior.

Certificação – apesar de a certificação ser voluntária, essa é uma das grandes preocupações do setor florestal, pois se tornou um diferencial competitivo no mercado florestal, já que a demanda mundial por produtos florestais certificados vem aumentando. Das associadas da Apre, pelo menos 18 empresas possuem certificação CERFLOR e/ouFSC – 35% do número total das associadas. Além disso, 65% da base florestal das associadas é certificada.

Preservação – outra grande preocupação do setor é com relação à preservação. O setor de base florestal plantada no Paraná mantém programas de preservação de recursos florestais nativos, protegendo a biodiversidade (flora e fauna),solo, mananciais e demais recursos hídricos. Tudo isso serve para manter os processos ecológicos essenciais dos ecossistemas existentes no Estado. A participação das empresas associadas à Apre na manutenção dos recursos florestais nativos e de sua biodiversidade no Estado é significativa: estas empresas preservam mais de 390 mil hectares com florestas nativas – 47% de ocupação da área total em terras sob sua propriedade e 90% em relação à área plantada. Isso significa que para cada 100 hectares de florestas plantadas, as empresas associadas à Apre possuem mais 90 hectares de floresta de conservação.

estudo setorial

Por Portal Madeira e Construção

Foto: divulgação Berneck

Compartilhe
Voltar para Notícias

Cadastre seu email e receba nossa newsletter