Prêmio IBRAMEM Amata anuncia vencedores

29 de Março de 2018

Premiação marcou o encerramento do XVI EBRAMEM e II CLEM, que ainda contou com homenagem aos professores Carlito Calil Junior e Francisco Antônio Rocco Lahr

Na sexta edição, o Prêmio Ibramem, que este ano contou com a chancela da Amata, anunciou os vencedores no último dia do XVI EBRAMEM (Encontro Brasileiro em Madeiras e em Estruturas de Madeira) e do III Congresso Latino-americano de Estruturas de Madeira, realizados de 26 a 28 de março, em São Carlos (SP).

Entre 29 projetos inscritos na categoria profissional, pela primeira vez, a comissão julgadora decidiu por premiar dois trabalhos. Moradas Infantis, de Rosenbaum + Aleph Zero empatou com a Casa na Montanha, de Gui Paoliello Arquiteto.

De acordo com o arquiteto e membro da comissão organizadora do Prêmio Marcelo Aflalo, a decisão pela escolha dos dois projetos como vencedores se justifica pela arquitetura pertinente que ambos apresentam, apesar de suas escalas completamente diversas. “Com abordagens distintas, os dois projetos observam e solucionam problemas comuns à construção com estruturas porticadas em madeira e apontam para pesquisas fundamentais tanto para a construção vernacular, como para a arquitetura que atende uma escala industrial”, afirmou Aflalo.

Além disso, ele destaca que nos dois projetos há uma compreensão da cadeia completa da produção da madeira, com as características de cada escala, assim como a adoção de interessantes recursos de solução estrutural.

Na avaliação da comissão julgadora, a casa na montanha usa de forma bastante inteligente os recursos locais, como o aproveitamento de 12 toras de eucalipto da região, mas resultando em uma arquitetura contemporânea. “Trata-se de um exercício de pesquisa arquitetônico realizado com recursos mínimos. Já o projeto do Aleph Zero se utiliza de soluções industriais. Foram respostas diferentes, em escalas diferentes, para o mesmo problema, já que nos dois casos o projeto mostra uma estrutura autônoma e um tabuleiro”, explica Aflalo.

Entre os estudantes, categoria que contou com 34 inscritos de diferentes partes do país, o grande vencedor foi o projeto da Universidade Federal do Paraná (UFPR), de Daniela Moro e Gabriel Hildebrand Tomich, orientado pela professora Marina Millani Oba. Chamado de “Entre”, o projeto apresenta uma interessante estratégia de ocupação das áreas vazias do centro da cidade de Curitiba, criando uma estrutura urbana abrangente e diversificada. “A solução construtiva apresentada é viável e permite a variação tipológica que resulta na complexidade da intervenção. Acrescenta-se às qualidades do projeto sua forma de apresentação, que cria uma narrativa concisa e didática”, avaliou a comissão julgadora.

Os dois primeiros lugares na categoria profissional terão as despesas pagas para acompanhar o World Conference on Timber Engineer (WCTE) em Seul, em outubro. Já os estudantes irão para a Semana da Madeira no Chile, em agosto, onde serão acompanhados por profissionais daquele país.

O prêmio deste ano contou com sete jurados, dos quais três do exterior. “O objetivo desta iniciativa é estimular o interesse pelo estudo e por projetar em madeira. A média das notas dos trabalhos foi alta, com inserções urbanas adequadas e uma expressão arquitetônica importante por parte dos estudantes, mas ainda com dificuldades técnicas na concepção do projeto e uso da madeira”, avalia Aflalo, que já anunciou, em primeira mão para o Portal Madeira e Construção, que será criado uma premiação específica para reconhecer o trabalho dos profissionais da Engenharia em projetos em madeira.

Categoria profissional

Rosenbaum + Aleph Zero
Nome do Projeto: Moradas Infantis
Equipe: Adriana da Silva Benguela, Pedro Lass Duschenes, Gustavo Correia Utrabo, Marcelo Rosenbaum e Hélio Olga

Gui Paoliello Arquiteto
Nome do Projeto: Casa na Montanha
Equipe: Guilherme Pires Paoliello, Manoela Corrá Dieguez Pessoa, Thiago Magri Benucci, Victoria Coelho Menezes e Heloisa Maringone

Menções Honrosas:

Nitsche Arquitetos
Nome do Projeto: Residência Praia Vermelha
Equipe: Lua Nitsche, Pedro Nitsche, André Scarpa, Rosário Borges de Pinho e Rodrigo Tamburus

Ampuero-Yutronic
Nome do Projeto: Casa Hualle, Chile
Equipe: Javier Alejandro Ampuero Ernst, Catalina Yutronic Fernández, Gonzalo Reyes, Leonardo Manríquez, Cesar Moreira e Felipe Fontecilla

Categoria estudante:

Daniela Moro e Gabriel Hildebrand Tomich
Instituição: Universidade Federal do Paraná – UFPR
Nome do Projeto: entre
Orientador: Marina Millani Oba

Menção honrosa

Ingred Santana da Silva
Instituição: Universidade Metodista de Piracicaba
Nome do Projeto: Abrigo para ônibus com biblioteca comunitária
Orientador: Mônica Duarte Aprilanti

Augusto Rodrigues Dilascio, Vitor Leite Alves, Fernanda Carneiro de Queiroz, Vitória Souza Santos e Isabela Caetano Ramos Ludwig
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Nome do Projeto: Pavilhão “Xuê”
Orientador: Hugo Alkmim de Matos

João Pedro Belusso Cecco
Instituição: Faculdade Mater Dei
Nome do Projeto: Espaço informativo em madeira
Orientador: Gilmar Tumelero

Programação final e homenagens

O último dia dos eventos contou ainda com a participação da professora e arquiteta Marta Moreira, da Escola da Cidade e do escritório MMBB Arquitetos, que apresentou aos participantes projetos como a casa na Serra das Cabras e o SESC Campo Limpo, esse último em fase de desenvolvimento.

Já a arquiteta chilena Maria del Carmem Zegers Garcia tratou da arquitetura humanizada, na qual o projeto estabelece uma relação com a cultura do local onde se instala. Entre os projetos que apresentou está o do Hotel do Atacama, uma construção em madeira extremamente elegante e harmoniosa com a paisagem.

Uma das novidades deste ano foi a entrega de um pen drive com os anais de todos as edições do EBRAMEM realizadas com o objetivo de propagar o conhecimento, facilitar as pesquisas e organizar essas informações.

Os professores Carlito Calil Junior e Francisco Antônio Rocco Lahr, organizadores do evento deste ano, foram homenageados pelo também professor Everaldo Pletz. A justa homenagem lembrou a dedicação ao desenvolvimento de pesquisas relacionadas à madeira e às estruturas de madeira, à formação de dezenas de mestres e doutores nessas áreas e ao competente comando do Instituto Brasileiro da Madeira e das Estruturas de Madeira (IBRAMEM), desde a fundação em 1983. Com muita emoção, todos os presentes cumprimentaram essas duas ilustres personalidades que foram essenciais para construir o cenário de franco crescimento das construções em madeira no Brasil.

Por Juliane Ferreira e Guilherme Stamato para o Portal Madeira e Construção

 

XVI EBRAMEM: conhecimento técnico e acesso a informações de mercado

 

XVI EBRAMEM: experiências latino-americanas mostram que é possível avançar no uso da madeira nas construções

Compartilhe
Voltar para Notícias

Cadastre seu email e receba nossa newsletter